Reestruturação na Microsoft: Julie Larson-Green pode assumir Xbox e se tornar a Superwoman da companhia

Desde a saída de Don Mattrick da Microsoft para a Zynga o cargo de diretor da divisão Xbox está nas mãos do nosso velho amigo CEO Steve Ballmer. Mais do que isso, a empresa julga que as atribuições estão uma verdadeira bagunça desde a partida de Steven Sinofsky. Então finalmente chegou a hora de dar um jeito nisso.

Diversas fontes informam que o careca empolgado vai anunciar hoje uma mega reestruturação no quadro de diretores, buscando o que foi chamado de “coerência funcional”, o que pode indicar que alguns executivos podem acumular funções, alguns mais do que outros.

20130711gogoni-julie-larson-green

Ballmer teria enviado a mensagem do que deseja fazer no último outono, e algumas especulações tem sido ventiladas por contatos próximos à Redmond. Algumas das mudanças já eram conhecidas, como Amy Hood assumir o cargo de CFO após a saída de Peter Klein, cargo esse que foi temporariamente absorvido pela CMO Tami Reller. Já sobre as novidades, o presidente do Skype Tony Bates ficaria responsável por pelo departamento de M&A (fusões e aquisições), assim como pela parte de estratégia corporativa. O chefe de serviços online Qi Lu pode assumir a divisão Office (sem maiores detalhes sobre o que pode acontecer com o atual presidente Kurt DelBene) e Satya Nadella pode ficar com o cargo de Kirill Tatarinov, como líder da Microsoft Business Solutions.

Entretanto uma pessoa pode ficar ainda mais poderosa nessa brincadeira: a VP Corporativa Julie Larson-Green. Ela assumiu a divisão Windows após a saída de Sinofsky e devido sua longa lista de contribuições ao sistema não há ninguém em vista para ficar com o cargo, e mais: ela é tida como certa para assumir a divisão Xbox e serviços de TV e música, tornando-se assim a responsável por tudo na Microsoft relativo a entretenimento, sistemas operacionais e Surface.

Na empresa desde 1993, Julie é a responsável pela interface do Office XP, 2003 e 2007, e desempenhou um importante papel no desenvolvimento do Windows 7. Se assumir todas essas funções ajudarem a dar um novo gás tanto ao Windows quanto ao Xbox, é esperar para ver.

Compartilhe