“Google chinês”, Baidu lança buscador em português no Brasil

A empresa chinesa Baidu lançou nesta quinta-feira, 17, seu buscador no Brasil, com a intenção de competir com Google e Bing. O serviço passou algum tempo sendo aprimorado para o português brasileiro e para o oferecimento de resultados relevantes de pesquisa.

O Baidu aposta no algoritmo Aladdin (em referência ao gênio da lâmpada), a grande aposta do Baidu para se diferenciar dos concorrentes, que permite ao usuário assistir a vídeos, ouvir músicas e jogar games diretamente na página de exibição dos resultados, sem precisar ir até os sites. Tudo indica que os brasileiros terão acesso a este recurso, que depende de parcerias com os produtores de conteúdo.

google

O “Google chinês”, como é conhecido, é a maior empresa de internet em seu país e tem valor de mercado estimado em US$ 65 bilhões na Nasdaq, nos EUA. A complexidade do idioma afugentou plataformas estrangeiras e abriu caminho para que o Baidu dominasse 83% das buscas na China. Por dia, segundo a companhia, 500 milhões de pessoas acessam seus mais variados produtos, sendo que 8% do público vem de outros países que assimilam a língua.

De olho na internacionalização, o Baidu abriu escritório no Brasil em 2012 para estudar o mercado e entender o comportamento do internauta. Segundo o gerente de marketing, Felipe Zmoginski, encarar o Google de frente não é o objetivo neste primeiro momento. “Não estamos focados em concorrentes e nossa proposta agora não é gerar receita. O Baidu quer ser uma alternativa e ajudar a desenvolver a internet brasileira”, analisa. Além de São Paulo, a empresa também se instalou no Japão, Taiwan, Tailândia e Egito porque diz priorizar países que não falam inglês.

Este ano, o Baidu trouxe cinco dos quase 100 produtos de seu portifólio para testar a adesão do público brasileiro. Baidu Antivírus, Spark Browser (navegador), PC Faster (software para melhorar o desempenho da máquina) Hao123 (portal de notícias) e Du Battery Saver (app para economizar bateria nos celulares Android) estão disponíveis em português para instalação gratuita.

Fonte: Olhar Digital

Compartilhe