Organizador da Black Friday pede voto de confiança

Aos poucos, a Black Friday brasileira se desgruda do apelido “Black Fraude” e vai deixando o slogan “tudo pela metade do dobro” para trás. Se em 2012 o maior evento de compras virtuais do país levantou uma enxurrada de reclamações, no ano seguinte os casos de enganação diminuíram e, em 2014, a expectativa é que a Black Friday chame mais atenção pelos descontos do que pelos problemas.

Um estudo realizado pelo site de comparação de preços Zoom revelou que 99% dos consumidores pretendem comprar alguma coisa durante a Black Friday, enquanto um levantamento do Busca Descontos – organizador do evento – indica que as pessoas não só confiam como também indicam a Black Friday aos amigos e parentes.

Além disso, se o Busca Descontos entende que o dia de compras movimentará mais de R$ 700 milhões, a consultoria E-bit acredita que o valor chegue a R$ 1,2 bilhão. Tantos dados otimistas fez Pedro Eugênio, CEO do Busca Descontos, repetir a garantia que fez em 2013: “O brasileiro pode confiar na Black Friday.”

“O e-commerce nunca se preparou tanto para a Black Friday”, afirma Eugênio. O executivo acredita que a imagem do evento tem melhorado por dois motivos, sendo o principal o amadurecimento do consumidor em relação ao evento; mas também por conta dessa preparação do comércio. “O consumidor tem o poder na mão, ele pode acompanhar os preços e as lojas perderam o poder de fazer maquiagem”, explica.

Em 2013, o Reclame Aqui registrou recorde de queixas contra as lojas participantes; o Extra.com.br, por exemplo, teve 183 reclamações em um dia, sendo que o máximo de citações sobre o site no serviço era 135… em um ano. Por outro lado, o Procon afirmou à época que houve melhora em relação à edição de 2012.

Pedro Eugênio entende que o brasileiro enfim descobriu o que é a Black Friday, portanto, as reclamações devem diminuir neste ano. Em especial porque agora as pessoas compreendem que não é porque o dia proporciona descontos que todos os itens terão os preços reduzidos. “A gente viu muita gente reclamar sobre produtos que nem estavam na Black Friday”, lembra o executivo, que esclarece: o conceito do evento é parecido com o de outlets, em que só algumas mercadorias têm desconto.

O Busca Descontos não é dono da Black Friday, qualquer um no comércio pode usar a ideia para divulgar promoções, mas o site organiza ofertas, garante descontos exclusivos e fecha parcerias com lojas e entidades de defesa do consumidor para dar mais segurança. Por isso a recomendação é sempre procurar produtos no blackfriday.com.br antes de partir para outras páginas. Porém, se a loja em que você confia não está no site mas oferece um negócio vantajoso, basta ser cauteloso e aproveitar.

Fonte: Olhar Digital

Compartilhe