Google lança Project Fi e se torna operadora de telefonia nos EUA

O Google anunciou hoje o Project Fi, seu serviço de telecomunicações, limitado aos Estados Unidos e para usuários do Nexus 6, por enquanto. Em seu blog, o Google diz que seu trabalho no Project Fi pretende fazer para as telecomunicações o mesmo que a linha Nexus de dispositivos móveis fez para o hardware de tais aparelhos.

O serviço

O objetivo do projeto é “tirar a tecnologia do caminho para que você possa se comunicar por meio de qualquer tipo de rede ou dispositivo que você estiver usando”. O serviço seleciona automaticamente a melhor rede para o usuário (que pode ser um hotspot WiFi ou uma rede LTE 4G) com base em sua localização.

Por meio de parceria com as operadoras T-Mobile e Sprint, o Project Fi oferece mais de uma opção de rede 4G, e conecta o dispositivo do usuário à que possui melhor sinal naquela situação. Segundo o Google, será possível, por exemplo, realizar uma ligação por WiFi e, ao sair do alcance daquela rede, transferir a ligação para a rede de celulares sem nenhum tempo perdido.

Além disso, o Project Fi também hospeda seu número de telefone na nuvem. Com isso, é possível acessar e utilizar plano de dados vinculado ao seu número de celular de qualquer smartphone, tablet ou computador, o que permitirá que usuários sigam usando suas linhas mesmo caso percam seus aparelhos. Ou seja: você pode usar o seu número telefônico em qualquer dispositivo compatível com o Google Hangouts.

Modelo de negócios

Atualmente, a empresa oferece um plano “modular” de serviços para seus usuários: um pacote inicial de US$ 20, que dá direito a ligações e mensagens ilimitadas, mais US$ 10 por cada Gigabyte de dados utilizados. Caso o usuário adquira um plano para 3GB de dados e use apenas 1,4GB, ele receberá de volta o valor correspondente aos dados não utilizados (no caso, US$ 16).

A restrição a apenas smartphones Nexus 6 (por enquanto), acontece porque o aparelho, desenvolvido pelo Google em parceria com a Motorola é o primeiros com o hardware e o software adequados para se adaptar ao serviço. Por ora, a empresa oferece cobertura apenas em algumas regiões dos Estados Unidos (veja aqui o mapa). É possível solicitar um convite para o programa de acesso antecipado do serviço no site do Project Fi. Veja mais sobre o serviço no vídeo abaixo (em inglês):

Fonte: Olhar Digital

Compartilhe

Campanha começa a alertar sobre fim da TV aberta analógica

A partir desta quarta-feira, 8, os moradores da cidade de Rio Verde, em Goiás, e da região do Distrito Federal começam a ser avisados sobre o fim das transmissões analógicas de TV aberta.

A partir desta data, transmissões analógicas exibirão, em alguns momentos do dia, a letra “A”, que depois se abre, formando a palavra “Analógico”. Dois meses antes da data prevista para o desligamento, elas mostrarão também uma indicação fixa com a contagem regressiva para o fim da transmissão.

Cronograma

Em novembro de 2015, Rio Verde, escolhida como cidade-piloto, deixará de receber o sinal analógico e receberá apenas o digital; no Distrito Federal e em onze cidades mineiras e goianas de suas imediações, que formam a primeira grande região a passar pela mudança, isso deve ocorrer em abril de 2016. Com o desligamento, a programação da TV aberta estará disponível apenas em sinal digital.

Ainda em 2016, o desligamento do sinal analógico está previsto para acontecer nas regiões metropolitanas de São Paulo (em maio), Belo Horizonte (junho), Goiânia (agosto) e Rio de Janeiro (novembro). No resto do país, essa mudança ocorrerá de forma gradual, devendo terminar até 2018.

Providências

Telespectadores que virem os sinais de transmissão analógica deverão tomar providências para continuar a receber os canais de TV aberta. Televisões de tubo, mais antigas, ainda poderão ser utilizadas, desde que acrescidas de um conversor de TV Digital e uma antena apropriada.

A maioria das televisões mais novas, de tela fina, já possui conversor digital integrado. No entanto, caso elas exibam os avisos de transmissão analógica, pode ser necessário ligá-las a uma antena adequada para recepção no novo formato. Mais informações sobre a troca de equipamentos pode ser adquirida pelo site www.vocenatvdigital.com.br ou pela central de atendimento telefônico gratuito, no número 147.

Mudanças

O sinal digital oferece melhor qualidade de imagem (resoluções mais altas) e de som (permite até seis canais de áudio, contra os dois da televisão analógica). Além disso, ela evita também a presença de “fantasmas” (interferências no áudio e no vídeo). Ele também ofereçe outras vantagens em relação ao sinal analógico, como suporte à recepção móvel e interatividade.

A frequência de rádio utilizada pela TV analógica (700 MHz) será utilizada por empresas de telecomunicações, que ampliarão a oferta de serviços de telefonia móvel de quarta geração (4G LTE) no Brasil. Desde 2013, esse serviço se vale da rediofrequência de 2,5GHz.

Coordenação

O processo de digitalização da TV aberta brasileira e de implantação do 4G LTE é coordenado pelo Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (GIRED). O Grupo, cujo presidente é Rodrigo Zerbone, ex-conselheiro da Anatel, é presidido por um Conselheiro Diretor da Anatel e conta com representantes do Ministério das Comunicações, das empresas de telecomunicações que adquiriram a subfaixa na licitação, e dos radiodifusores.

Fonte: Olhar Digital

Compartilhe

Anatel abre caminho para leilão da faixa de 700 MHz para o 4G

A Anatel aprovou uma resolução que destina a faixa dos 700 MHz para a internet 4G, o que deve abrir o caminho para o leilão do espectro. A decisão é a primeira etapa de um processo que só deve se encerrar na metade do ano que vem, quando a frequência dor leiloada, entre maio e junho, segundo a agência.
imagemA proposta prevê que o edital do leilão só seja publicado quando houver a publicação de um regulamento contra interferências do sinal do 4G e da TV digital.

Esta regulação só deve sair após a realização de testes de interferência, que devem ser realizados pela Anatel, e com a conclusão do replanejamento dos canais de radiodifusão.

Enquanto  os canais de radiodifusão da frequência de 700 MHz não forem liberados, a agência prevê que será necessário que os dois setores convivam na mesma faixa.

A Anatel também prevê que todos os canais de TV na faixa sejam preservados, assim como sua cobertura.

Fonte: Olhar Digital.

Compartilhe

Samsung anuncia Galaxy Express com 4G no Brasil

A Samsung anunciou mais um aparelho com conexão 4G no Brasil: é o Galaxy Express, um smartphone intermediário com tela de 4,5 polegadas que está chegando ao mercado por R$ 1.349.

O Galaxy Express possui tela Super AMOLED com resolução de 480×800 pixels, processador dual-core de 1,2 GHz, 1 GB de RAM, 8 GB de armazenamento interno (com slot para microSD), câmera de 5 megapixels que filma em 720p e bateria de 2.000 mAh.

Em relação ao hardware, o Galaxy Express não oferece nada além de outros smartphones dessa faixa de preço: você acaba pagando pelo suporte ao 4G brasileiro, que ainda está em pouquíssimos smartphones. Os aparelhos com 4G que chegam mais perto do Galaxy Express são o Motorola RAZR HD e o Nokia Lumia 820, que hoje podem ser encontrados por R$ 1,4 mil.

O Android 4.1 do Galaxy Express vem com a tradicional interface da Samsung e uma série de recursos herdados do Galaxy S III, incluindo o S Beam, que funciona como o Android Beam e permite que você transfira arquivos de um smartphone para outro apenas encostando os dois aparelhos.

A Samsung também aproveitou para anunciar a versão com conexão 4G do tablet Galaxy Note 10.1, que chegará ao mercado por R$ 2.199. O modelo 3G está sendo vendido por aqui desde setembro do ano passado, e na época foi lançado por R$ 1.899. Ele tem hardware bem interessante, com processador quad-core de 1,4 GHz, 2 GB de RAM, 16 GB de armazenamento interno e peso de apenas 600 gramas.

Com o Galaxy S III 4G, o Galaxy Express e o Galaxy Note 10.1 4G, a Samsung Brasil diz ser a “fabricante com o maior portfólio 4G do mercado”. Outros fabricantes possuem alguns dispositivos com 4G: por aqui, a Nokia tem os Lumias 820 e 920; a Motorola possui o RAZR HD; e a LG lançou recentemente o Optimus G.

Fonte: tecnoblog

Compartilhe

Claro inaugura banda larga 4G em seis cidades

RIO DE JANEIRO- A Claro vai desembolsar R$ 6,2 bilhões até a Copa das Confederações para viabilizar a tecnologia 4G no País. Nesta terça-feira, 16, a operadora lançou comercialmente o serviço nas seis cidades brasileiras que vão sediar o evento esportivo internacional (Rio de Janeiro, Brasília, Fortaleza, Belo Horizonte, Recife e Salvador).

“Nosso acionista quer largar na frente na tecnologia 4G. Queremos ser líderes nesse segmento”, afirmou Gabriela Clemente, diretora regional da Claro no Rio de Janeiro e Espírito Santo. Segundo ela, a operadora optou por manter o mesmo modelo de política de preços já praticado no segmento 3G.

A Claro vai comercializar nove tipo de aparelhos de celular compatíveis com a nova tecnologia. O pacote de serviços 4G mais barato para celular será R$ 207,00. O aparelho mais em conta para quem quiser aderir a tecnologia será de R$ 329,00.

Além das seis cidades sede da Copa, a Claro começa a comercializar o serviço 4G também nas cidades de Búzios, Paraty, Campos do Jordão, Curitiba e Porto Alegre. Segundo a diretora, a companhia já tem 5 mil usuários de 4G em sua base de clientes, que soma atualmente 66 milhões de usuários.

Fonte: estadao

Compartilhe

Preocupada com ‘black-out’ de comunicação, Fifa cobra 4G do governo

Os estádios da Copa das Confederações estão na reta final de preparação, apesar dos atrasos, mas quando a bola rolar, quem estiver lá dentro pode ter dificuldades para se conectar à Internet e publicar fotos das novas arenas nas redes sociais.

Ao escolher em 2007 o Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014, a Fifa cobrou do governo brasileiro a garantia de um “serviço exemplar” de telecomunicações, ciente da enorme demanda por conexão de dados por parte tanto dos torcedores como da mídia.

A promessa do governo foi de que haveria a oferta de serviços de Internet móvel de quarta geração (4G) a tempo para os eventos.

Mas, a pouco mais de dois meses do início da Copa das Confederações, evento-teste para o Mundial que acontecerá em seis cidades de 15 a 30 de junho, o país ainda não possui uma oferta consistente de 4G nem mesmo para os clientes regulares das operadoras de telefonia móvel e ainda apresenta problemas na qualidade dos serviços nas redes atuais.

“A única coisa que podemos fazer é acreditar no que o governo diz, que haverá tecnologia 4G. Temos de ter paciência”, disse o diretor de comunicação da Fifa, Walter de Gregorio, durante encontro com correspondentes da mídia estrangeira no Rio de Janeiro, esta semana.

A Fifa, que repetidamente tem cobrado do Brasil nos últimos anos que acelere o ritmo dos preparativos –com destaque para a polêmica frase do “chute no traseiro” dita pelo secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, em março de 2012– está preocupada com um possível “black-out” das comunicações.

Com mais de 4 mil jornalistas credenciados para a Copa das Confederações e estádios lotados, há a expectativa de uma enorme demanda por capacidade de rede, especialmente com as presenças no torneio da atual campeã mundial e da Europa, Espanha, e da tetracampeã mundial Itália, além da própria seleção brasileira.

Transmitir informações e imagens com máxima velocidade de dentro dos estádios é fundamental para veículos de mídia em tempo real, e um eventual colapso nas conexões resultaria num problema de grande repercussão para os organizadores do evento.

“Não posso imaginar um cenário em que os jornalistas não possam transmitir suas reportagens, é impensável um black-out desse tipo”, afirmou o diretor de comunicação da Fifa.

A tecnologia 4G permite acesso à Internet móvel a velocidades bastante superiores às atuais disponíveis no país. A primeira licitação da frequência utilizada para esses serviços aconteceu em meados de 2012, com exigência para funcionamento a partir deste mês nas cidades-sede da Copa das Confederações.

No entanto, as operadoras apontam a falta de regras claras gerais para instalação de antenas como um dos principais problemas, enquanto a Lei Geral das Antenas, projeto destinado a facilitar a instalação e compartilhamento de antenas de telefonia, circula no Congresso desde 2012 e ainda não foi aprovada em caráter definitivo.

Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) apontou, em fevereiro, que a Anatel “enfrentará dificuldades em implementar tempestivamente a parte que lhe cabe do compromisso assumido pelo Brasil de apresentar uma moderna estrutura de telecomunicações”, diante da complexidade das contratações necessárias para a execução dos projetos previstos.

Na sexta-feira, o secretário-geral da Fifa alertou que “nem todos os aspectos operacionais estarão a 100 por cento” na Copa das Confederações devido aos atrasos na entrega dos estádios.

Fonte: estadao

Compartilhe

Vivo TV será parcialmente desativada após 25 de abril para dar lugar ao 4G

Alguns clientes da Vivo TV já estão recebendo cartas da Telefônica/Vivo em suas residências avisando que o serviço deixará de ser prestado. A companhia está desativando parte da radiofrequência ocupada pelo MMDS para implantação da rede 4G no Brasil.

A empresa informa que a partir de 25 de abril não conseguirá manter os atuais pacotes das pessoas cujo serviço é mantido pela tecnologia MMDS, utilizada por parte dos clientes nas cidades de São Paulo, Curitiba e Porto Alegre.

A Telefônica/Vivo avisa que, a partir desta data, os clientes atingidos pela mudança continuarão recebendo os canais abertos e obrigatórios até o dia 31 de maio, sem nenhum custo adicional, até encontrarem outro serviço de TV por assinatura. Caso se interessem, podem manter este pacote após o período pelo preço de R$ 20 mensais após contatar a empresa.
Caso contrário, poderão devolver os equipamentos à empresa sem ônus ao consumidor. Eles poderão ligar para agendar a retirada ou aguardar a ligação a partir de 1º de junho, quando a própria companhia passará a ligar para recolher os aparelhos.

A fatura de abril, a última que deverá chegar aos clientes, terá cobrança proporcional até o dia 25 de abril, informa a empresa.

Fonte: olhardigital

Compartilhe

TIM espera compartilhamento de 4G com Oi já em abril

Brasília - A TIM espera que o compartilhamento da rede de telefonia móvel de quarta geração (4G) com a Oi seja iniciado dentro poucas semanas, de acordo com o vice-presidente de assuntos regulatórios da operadora, Mario Girasole.

O acordo entre as empresas deve ser entregue ainda nesta terça-feira à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para análise, disse o executivo.

As principais operadoras de telefonia móvel do país têm se movimentado para elaborar acordos de compartilhamento de redes móveis a fim de reduzir custos de construção e atender às demandas do governo para prestação dos novos serviços nacionalmente, em vista dos grandes eventos esportivos dos próximos anos.

Além de Oi e TIM, a Telefônica Brasil, que opera a marca Vivo, e a Claro, do grupo América Móvil, também buscam compartilhar suas redes móveis.

“Hoje entregamos o contrato”, afirmou Girasole a jornalistas durante evento em Brasília, explicando que o documento vai para análise do conselheiro relator Rodrigo Zerbone, e depois segue para o Conselho Diretor da Anatel.

Assim, Girasole espera que “em poucas semanas” a questão já esteja resolvida, para começar o compartilhamento em abril, mês limite para o início das ofertas do 4G nas cidades-sede da Copa das Confederações, segundo exigências do edital de licitação das radiofrequências para os novos serviços.

A Anatel, por sua vez, tem “todo interesse que esse processo avance”, de acordo com o presidente da agência reguladora, João Rezende.

As duas operadoras informaram em janeiro que discutiam o compartilhamento de infraestrutura. No começo de março, o Conselho de Administração da TIM aprovou a celebração de um contrato com a Oi, com investimentos “isolados” por cada parte.

“É um trabalho que está andando de maneira muito fluida”, afirmou Girasole nesta terça-feira.

Fonte: info

Compartilhe
Publicado em Sem categoria | Marcado com , ,

Porto Alegre é a terceira cidade brasileira a receber o 4G

Em meio aos atrasos nos estádios que sediarão os jogos da Copa das Confederações, o 4G está surgindo em cidades que não fazem parte do evento. A Claro, por exemplo, anunciou nesta quinta-feira, 7, que a internet móvel de quarta geração chegou a Porto Alegre. A operadora já está oferecendo o serviço em Curitiba, outra capital que não receberá a festa esportiva, e Recife, sede oficial.

A companhia afirmou que Porto Alegre e Curitiba são consideradas adequadas para testes de lançamentos de produtos. A ideia é que, em breve, Fortaleza, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador, as demais cidades que sediarão os jogos, sejam contempladas com a internet móvel mais rápida.

Inicialmente há três aparelhos compatíveis com a tecnologia 4G na operadora, que custam entre R$ 549 a R$ 999, e um modem de R$ 199. O presidente da Claro, Carlos Zenteno, disse em nota que os planos serão comercializados com os mesmos preços da tabela atual do 3G. Ele ressaltou, contudo, que o tráfego de dados é maior e, por isso, o menor pacote de 4G será de 5 GB, em vez de 2 GB, como acontece com o 3G.

O executivo também explicou que o projeto de compartilhamento da rede de quarta geração com a Telefônica, anunciado nesta semana, deve permitir o uso em conjunto de torres, sites e redes elétricas, mas não o de frequências. “Pelo menos não está no escopo inicial”, afirmou.

Atrasos

Faltando cem dias para a Copa das Confederações, seis estádios do torneio ainda não estão prontos, segundo o planejamento original da Fifa. O evento que marcou o início da contagem regressiva para o chamado “Festival dos Campeões” não ocorreu como a entidade esperava. Com isso, a Fifa disse que os eventos-teste podem ser cancelados e afirmou que será mais rígida a partir de 2014.

Fonte: olhardigital

Compartilhe
Publicado em Sem categoria | Marcado com ,