Acordo reduz tarifas de games e eletrônicos em 80 países, mas não no Brasil

A Organização Mundial do Comércio (OMC) negociou, na última semana, um acordo comercial para eliminar as tarifas de importação em 80 países sobre 200 produtos eletrônicos, incluindo video games e semicondutores. O Brasil, no entanto, não se encontra entre as nações que irão aderir ao tratado.

O acordo, que deverá ser assinado pelos representantes dos países até o próximo final de semana, demonstrou a última grande negociação da OMC nos últimos 18 anos. Entre os beneficiados pelos cortes nas taxas estão os Estados Unidos, a China, a Coréia do Sul e as nações da União Europeia — todos integrantes do Tratado Internacional da Tecnologia da Informação (ITA).

O diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, comemorou pelo Twitter o sucesso do acordo no último sábado (18). “Estamos muito otimistas de que teremos um acordo final até o fim da próxima semana”, comentou o representante, que também é brasileiro.

Para defender o posicionamento do país, a Folha de S. Paulo ouviu o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato. “Nunca quisemos participar do ITA”, comentou ele para o jornal.

“Se isso acontecesse, praticamente não teríamos mais indústria eletroeletrônica no país”, complementou, destacando os baixos preços dos itens chineses, os altos custos de produção no Brasil e o câmbio valorizado dos últimos anos.

Fonte: Tecmundo

Compartilhe

iPhone “popular” revelado em relatório sobre trabalho (semi-escravo) na China

O foco dessa notícia deveria ser o iPhone popular, que aparentemente é uma realidade, mas é impossível deixar de ver o outro lado, ou como essa notícia veio à tona.

20130729iphone-china

Hoje foi lançado o relatório do China Labor Watch, que analisa as condições de trabalho naquele país. Esse relatório acusa o grupo Pegatron, um dos principais fornecedores da Apple, de abusos em suas fábricas.

Esse relatório, elaborado entre março e julho desse ano, lista pelo menos 86 violações de direitos trabalhistas, incluindo horas extras obrigatórias, pagamentos atrasados, além de problemas de segurança do trabalho.

Fonte: Meio Bit

Compartilhe

Mercado Cook se desculpa por problemas da Apple na China

Pequim – O presidente-executivo da Apple, Tim Cook, se desculpou nesta segunda-feira com os consumidores chineses pela confusão sobre a política de garantia após mais de duas semanas de críticas da mídia chinesa em seu serviço de pós-vendas.

A Apple está revisando suas garantias para o iPhone 4 e o iPhone 4S e simplificando sua explicação sobre garantias e procedimentos para os consumidores darem suas opiniões, disse Cook em uma carta no site da empresa na China.

“Nós estamos cientes de que, devido a uma comunicação externa suficiente, alguns consideram que a atitude da Apple é arrogante, desatenta ou indiferente à opinião dos clientes”, disse Cook. “Nós expressamos nossas desculpas sinceras por causar aos clientes qualquer mal-entendido ou temor”, adicionou.

As críticas à Apple começaram em 15 de março com a difusão de um programa anual na China Central Television sobre direitos e segurança dos consumidores. Agora a Apple vai substituir os modelos iPhone 4 e 4S comprados na China com novos modelos em caso de tais reparos, junto com uma nova garantia de um ano, disse Cook em sua carta.

Fonte: info

Compartilhe