EUA: Netflix declara guerra ao limite de dados e quer apoio da FCC

Se você pensa que o Brasil é o único país em que a discussão acerca do limite de dados da banda larga é um assunto que gera discussões acaloradas, pense de novo: nos Estados Unidos a coisa anda feia para os lados das operadoras, que mesmo oferecendo planos franquias bem melhores do que as ofertas risíveis e caríssimas que Vivo, Claro e cia. desejam praticar aqui estão desagradando todo mundo.

Empresas prestadoras de serviços também não estão contentes com essa situação e agora a Netflix entrou para o coro dos indignados. E mais, está tentando convencer a Federal Communications Commission (FCC) de que a prática é ilegal.

Sendo bastante sincero, a Netflix não está entrando nessa briga porque se preocupa com o consumidor (não da forma como a maioria pensa), e sim porque a poda no acesso irrestrito à banda larga dos usuários irá prejudicar severamente seus próprios negócios. Um assinante pensará mil vezes antes de manter a assinatura em qualquer serviço de streaming que se preze, visto que isso irá contar em sua franquia de dados. Não estamos falando de Brasil, onde a Vivo cogitava oferecer um plano de 50 GB/mês (que eu consumo em um dia; basta baixar um game do PS4 e já era), mas de franquias um pouco mais altas.

Segundo a Netflix, um americano médio consumiria em média 300 GB de dados por mês só para consumir TV, sem contar jogos, apps e redes sociais., além de qualquer outro tipo de comunicação que utilize a internet. Já um usuário acima da média, que faz uso de transmissão em 4K gasta muito mais e é aí que reside a principal preocupação do serviço de streaming: como a empresa de Reed Hastings está investindo pesado no formato, os planos das operadoras de limitarem o acesso de seus clientes entram diretamente em conflito com os seus próprios.

Para se ter uma ideia do que uma transmissão em 4K significa em termos de banda, um filme de 3 horas e 24 minutos consome 10 GB quando em resolução HD, 720p. Já em Ultra HD, 2160p? 24 GB.

O grande obstáculo é a FCC, que não costuma meter a colher nesses assuntos e permite que as operadoras se auto-regulem (sim, bem similar à Anatel). O que a Netflix vai tentar agora é argumentar com a comissão de modo que ela declare que o limite de dados é “irracional”, já que ela é a única com poder legal de por ordem nessa bagunça e caso não impeça o limite de banda, ao menos estabeleça um limite mínimo nas franquias que não prejudique os consumidores e principalmente, as empresas que serão diretamente afetadas.

Isso porque mesmo a Netflix não é tão avessa ao limite de banda assim, a empresa deseja apenas que todos possam ao menos ter um limite considerável para continuar assistindo seus programas sem se preocupar com o limite de dados: quando a Comcast aumentou o limite de banda de 300 GB para 1 TB/mês, Hastings comemorou.

 

 

O mais provável de acontecer é que a FCC dê de ombros e permita que as operadoras continuem o que estão fazendo, para desespero da Netflix e de outros serviços de streaming; caso haja pressão vinda do Congresso para baixo aí sim as chances desse cenário ser revertido são maiores. No mais, é interessante ver que tanto lá como aqui os problemas são sempre os mesmos (com a diferença que pagaremos bem mais por um serviço muito pior).

Fonte: Meio Bit

Compartilhe

Google vai virar operadora de telefonia celular

Já está difícil imaginar uma área em que a digital do Google não esteja presente. A mais recente delas foi anunciada nesta quarta-feira, dia 21: o Google vai se tornar a mais nova operadora celular do Estados Unidos. Não será uma operadora convencional, dona de torres de transmissão e estações rádio base: será uma MVNO – Mobile Virtual Network, algo como Operadora Móvel Virtual. Na prática, o Google vai alugar a infra-estrutura da T-Mobile e da Sprint (operadoras convencionais que atuam no mercado norte-americano) e oferecer seus próprios pacotes diretamente aos consumidores.

A notícia caiu como uma bomba no mercado do Tio Sam. Por lá, a competição entre as empresas já é bastante acirrada e, agora, todos se preparam para uma guerra de preços ainda maior, com a chegada do Google. O temor tem precedentes. O gigante das buscas já mexeu com mercado de banda larga de lá, ao oferecer conexões com 1 Gbps de velocidade a preços acessíveis em algumas cidades. O resultado do movimento foi um aumento do esforço das outras operadoras para oferecer conexões mais rápidas em seus mercados, em ações preventivas contra a “ameaça” do Google. Agora, espera-se que efeitos similares possam ser sentidos no mercado celular.

T-mobile e Sprint a princípio resistiram à aproximação do Google. O temor é que elas poderiam estar colocando a raposa para tomar conta do galinheiro, já que o Google poderia, no longo prazo, acabar modificando completamente o ecossistema celular. Mas, premidas pela grande competição (que, hoje, tem dois grandes líderes, AT&T e Verizon) as duas empresas acabaram cedendo à oferta de dinheiro sem risco e em grande quantidade oferecida pelo Google nos contratos de aluguel da infra-estrutura. Mas, as ambições da turma de Moutain View (sede do Google, no Vale do Silício) no setor celular devem ir além desses acordos recém-firmados.

Uma nova era de comunicação celular

Há tempos o Google vem pressionado o FCC (órgão do governo de lá parecido com nosso ministério das comunicações) para que uma parte do espectro anteriormente ocupado pela TV analógica seja liberado para redes Wi-Fi. No plano maior do Google, no futuro, essas redes Wi-Fi seriam a principal forma de conexão para os smartphones – eles só usariam a comunicação celular mais tradicional onde não houvesse oferta dessas redes. O detalhe é que esse desenho pode fazer com que os custos de todo o ecossistema caiam dramaticamente. Ótima notícia para os consumidores e para o processo de conexão como um todo. Nem tão boa perspectiva para as atuais operadoras celulares.

Fonte: Olhar Digital

Compartilhe