IBM: Investimento Bilionário em Linux

No último dia 17 de setembro, a IBM anunciou que fará um investimento de 1 bilhão de dólares no sistema Linux, além de investir também em outra gama de software livre com o intuito de melhorar seus serviços. De acordo com declaração dos porta-vozes da empresa, muitas organizações encontram sérias dificuldades em gerenciar grandes volumes de dados e armazenamento na nuvem. Esse processo dificultoso é devido ao fato de que muitas empresas usam servidores baseados em velhos computadores pessoais (PCs), conforme declarou o vice-presidente da IBM, Brad McCredie.

LinuxO Linux é um sistema operacional de uso livre que pode ser executado em servidores, PCs e outros dispositivos. Além disso, a IBM produz supercomputadores e servidores, e oferece serviços de gerenciamento de dados para clientes corporativos. Com essa inovação, a empresa vai abrir um novo centro Linux, em curto prazo, situado em Montpellier, no sul da França.

Fonte: under-linux

Compartilhe

IBM anuncia investimento de US$ 1 bilhão no Linux

A IBM fará um investimento de US$ 1 bilhão ao longo dos próximos cinco anos para promover o desenvolvimento do Linux, à medida em que tenta adaptar seus mainframes e servidores baseados na arquitetura Power para lidar com a nuvem e “big data” em ambientes de computação distribuídos.

ibm-whiffs

O anúncio do investimento deverá ser feito durante a conferência LinuxCon em New Orleans nesta semana, irá financiar o programas de desenvolvimento de aplicações Linux para os servidores Power e também para expandir um serviço na nuvem que permite que os desenvolvedores escrevam e testem aplicativos para servidores Power antes da implantação. O investimento também servirá como um incentivo para o desenvolvimento de software para os novos processadores Power8 da IBM, que serão usados em servidores no próximo ano.

A IBM também estabelecerá o Power Systems Linux Center em Montpellier, na França, onde os desenvolvedores terão acesso a processadores e servidores Power para desenvolver e testar aplicativos Linux. A empresa já tem centros similares em Beijing, Nova Iorque e Austin, no Texas.

Fonte: uol.

Compartilhe

Debian Ganha Servidores da Bytemark

O Projeto Debian acaba de anunciar que a Bytemark Hosting efetuou uma doação de um rack completo com 16 servidores do tipo blade com HP Modular Storage Arrays contendo 57 TB de capacidade de armazenamento. O novo servidor, que terá residência no novo data center da Bytemark em York, está avaliado em £ 150.000 (aproximadamente R$ 450 mil) sua contratação por anuidade em termos comerciais. A Bytemark afirmou que tem confiado no uso do Debian em seus servidores desde que iniciaram a empresa em 2002, e disse que “sempre foi um negócio embaraçosamente bom”.

De acordo com Matthew Bloch, co-fundador da Bytemark, a companhia tem tentado ajudar o projeto ao patrocinar o DebConf e liberar seus próprios pacotes Symbiosis para tornar a tarefa de administração de servidores Debian mais fácil. Bloch ainda afirmou que “Nós não podemos corresponder aos esforços não-pagos [se comparado] aos milhares de voluntários do projeto” e adicionou “Nós estamos, pelo menos, felizes por oferecer uma parte tão substancial para a infraestrutura do [projeto] Debian”.

Essa doação permitirá que a equipe de administração dos sistemas Debian colocar uma distância geográfica maior entre os vários servidores, e assim, melhorar a tolerância a falhas e disponibilidade dos serviços para o usuário final. A capacidade de armazenamento também será melhorada consideravelmente, sendo que vários servidores de armazenamento intensivo serão movidos para a própria Bytemark como parte do processo de integração no novo servidor. Maiores informações você tem acesso através da mailing list de infraestrutura.

Fonte: underlinux

Compartilhe

Intel compra startup e investe em software no Brasil

São Paulo- A Intel anunciou nesta quarta-feira a compra de sua primeira empresa no Brasil. A maior fabricante de microprocessadores do mundo adquiriu a Profusion, startup com foco na linguagem de marcação HTML5 que será a base do novo foco de investimentos da companhia no país.

“Começamos a desenvolver no Brasil tecnologia que terá impacto mundial”, disse Nuno Simões, diretor da área de software da Intel no país. Há um ano, a área contava com apenas dois funcionários. Hoje, são 46, incluindo os 23 da Profusion. Até 2015 serão 80 pessoas dedicadas ao desenvolvimento de software. “O país se tornou um dos quatro maiores mercados do mundo de computadores”, diz Simões.

E se as máquinas vêm equipadas com os processadores da Intel, é natural que a empresa dê atenção a setores que possam impactar as vendas. “A adoção de novas tecnologias pelo público depende de software”, afirma.

Em outras palavras, não adianta uma máquina poderosa com oito núcleos se os programas não forem criados para rodar em paralelo e continuarem aproveitando apenas um processador. O mesmo raciocínio de adaptação a novas tecnologias vale para linguagens (HTML5) e jeitos de interagir com equipamentos, como telas touchscreen e sensores de movimento, por exemplo. Nada disso trará uma boa experiência ao usuário de os programas não forem criados para explorar todo o seu potencial.

É nesse cenário que entra a Profusion. A empresa de Campinas, no interior de São Paulo, tem foco em interface com usuário e HTML5. Ela foi descoberta pelo grupo Open Source da Intel nos Estados Unidos devido ao seu envolvimento na comunidade da linguagem de programação. Agora, todos os funcionários incorporados à Intel trabalharão conectados ao centro de desenvolvimento mundial, onde a empresa colabora com nomes como Google e Apple. “Devemos expandir em Campinas, até mesmo por uma questão física do escritório em São Paulo”, diz Nuno Simões.

A área de software da Intel no Brasil gerencia o relacionamento com desenvolvedores, coordena lançamento de novos produtos e, mais recentemente, está ligada aos planos do Ministério da Ciência e Tecnologia de desenvolver soluções tecnológicas nas áreas de transporte, educação e energia. No mês passado, a fabricante anunciou que vai investir R$ 300 milhões até 2014 em projetos nesses segmentos com empresas e universidades.

Fonte: info

Compartilhe