Black Friday bate recorde e fatura mais de R$ 1 bilhão

Pela primeira vez, a Black Friday brasileira arrecadou cifras bilionárias. Os números ainda não foram consolidados, mas as consultorias E-bit e Conversion estimam entre R$ 1,1 bi e R$ 1,3 bi movimentados pela internet nas 24 horas da sexta-feira, 28. Trata-se de um recorde, já que no ano passado o faturamento foi de R$ 424 milhões.

Os pedidos desta edição chegaram a 2,2 milhões, com o tíquete médio de R$ 522 – crescimento de 32% em relação a 2013. As ofertas atraíram 1,2 milhão de consumidores únicos, sendo que 18% deles realizaram sua primeira compra pela internet. As categorias que mais venderam no dia de descontos da Black Friday foram telefonia e celulares, eletrodomésticos, moda e acessórios e informática e eletrônicos.

Segundo Pedro Guasti, diretor da E-bit, “a elevação do tíquete médio foi reflexo do aumento da confiança na data pelo consumidor e a possibilidade de efetuar bons negócios e economizar, muitas vezes para antecipar as compras de Natal”.

No entanto, reclamações sugerem o contrário. O Procon registrou 752 atendimentos no plantão especial montado para acompanhar o festival de ofertas, e a maioria das queixas (71%) concentrou-se em três empresas:  B2W (Americanas.com, Submarino e Shoptime), Nova Pontocom (Pontofrio.com.br, casasbahia.com.br, e extra.com.br), e Saraiva. No site do Reclame Aqui, há milhares de protestos contra mais de 100 empresas.

Fonte: Olhar Digital

Compartilhe

Apple vendeu 4 milhões de iPhone 6 nas primeiras 24 horas da pré-venda!

Pois é, a pré-venda dos novos gadgets da Apple começou a acontecer na última sexta-feira. E… rapaz, os números devem estar agradando e muito os acionistas da maçã.

Isso porque a empresa vendeu 4 milhões de unidades de iPhone 6 (modelo regular e o Plus, somados), em 24 horas.

É difícil saber até que ponto os estoques estavam preparados para o evento, propositalmente ou não. Qualquer afirmação aqui seria especulação pura.

Mas vários usuários disseram que a loja estava passando por problemas técnicos por causa da quantidade de acessos simultâneos. A empresa afirma que o número de pedidos representa um record de pré-venda de iPhones em sua história.

E não é qualquer marca: isso representa praticamente o dobro do que foi vendido de iPhone 5, em 24 horas, durante a pré-venda que aconteceu em 2012.

O olha que tinha gente na fila que nem sabia explicar porque é que estava ali:


E já tinha gente formando fila para comprar o iPhone 6 em lojas físicas antes mesmo dele ser apresentado oficialmente, há quase três semanas.

E esse povo ainda vai ter que esperar um pouco mais. Isso porque a venda oficial nas lojas só vai acontecer no dia 19 de setembro, às 08:00, horário local, nos seguintes países:

  • Estados Unidos
  • Austrália
  • Canadá
  • França
  • Alemanha
  • Hong Kong
  • Japão
  • Porto Rico
  • Singapura
  • Reino Unido

Na semana seguinte, no dia 26 de setembro, a Apple vai abrir a venda em 20 países adicionais, incluindo:

  • Áustria
  • Bélgica
  • Dinamarca
  • Finlândia
  • Irlanda
  • Itália
  • Liechtenstein
  • Luxemburgo
  • Holanda
  • Nova Zelândia
  • Noruega
  • Portugal
  • Qatar
  • Rússia
  • Arábia Saudita
  • Espanha
  • Suécia
  • Suíça
  • Taiwan
  • Turquia
  • Emirados Árabes Unidos

E o Brasil? Bom, aí vareia. A Apple poderia mandar o aparelho antes pra ser homologado e resolver a vida dos brasileiros? Claro que não!!

Fonte: meiobit

Compartilhe

Black Friday acaba com lucro recorde e grande número de reclamações

Mais uma Black Friday passou e, como bem evidenciou toda a mobilização dos consumidores ávidos por comprar nas lojas físicas e virtuais, o evento veio mesmo para ficar. Bom para quem curte gastar as economias de fim de ano e também para o comércio como um todo.

Isso porque mesmo com tantas reclamações sobre fraude e problemas de infraestrutura nas lojas, o E-bit apontava que somente as lojas online deveriam passar dos 390 milhões de reais de lucro somente no dia de ontem.

O Procon está de olho

Contudo, como já era de se esperar, nem tudo são flores. Segundo uma publicação do Procon de São Paulo, apesar de ter sido percebida uma grande evolução com relação ao evento em 2012, houveram, sim, várias queixas de consumidores – e elas deverão ser investigadas.

O órgão afirma que 87 queixas foram compartilhadas pelos consumidores por meio da hashtag #deolhonaBlackFriday. A ideia era facilitar a pulverização de reclamações sobre sites e, de quebra, ajudar o Procon na identificação de lojas que estivessem agindo de má fé.

A postagem cita que todos os problemas relatados pelos consumidores, especialmente a “maquiagem de desconto”, serão investigados. De acordo com o Procon, “se comprovadas as infrações ao Código de Proteção e Defesa do Consumidor, além da aplicação das penalidades nele previstas, o resultado do trabalho será encaminhado ao Ministério Público do Estado de São Paulo para a apuração dos crimes previstos nos artigos 66 (oferta enganosa) e 67 (publicidade enganosa) do Código”.

Reclame Aqui: dia movimentado no site

O site Reclame Aqui registrou ainda mais reclamações durante a última sexta-feira. Segundo o próprio site, em aproximadamente 18 horas de promoção, houve cerca de 5,6 mil protestos de  consumidores insatisfeitos com as mais diversas lojas online. O site destacou, ainda, as páginas que tiveram mais reclamações:

  • Extra
  • Fast shop
  • Ponto frio
  • Submarino
  • Saraiva
  • Magazine Luiza
  • Walmart
  • Americanas.com
  • Casas Bahia
  • Centauro

No ano passado, em 24 horas de evento, o mesmo Reclame Aqui chegou a registrar mais de 8 mil reclamações de consumidores. Isso fez com que o evento ganhasse o apelido de “Black Fraude”. Até mesmo o slogan “tudo pela metade do dobro” surgiu como uma espécie de protesto contra as propagandas enganosas.

Esse ano, apesar do sucesso ainda maior, com lucros 60% maiores do que em 2012, como pudemos perceber, muitas reclamações se repetiram. De acordo com o blog do Reclame Aqui, “entre as queixas mais comuns este ano, as promoções do tipo ‘metade do dobro’ continuaram no topo. Consumidores de todo o país denunciaram que preços foram elevados nos dias anteriores à promoção para permitir descontos falsos de até 70%, quando na verdade o nível de preços apenas se aproximava da média do último mês”.

Não deixe passar

O Procon de São Paulo alerta que reclamações ainda podem ser feitas por meio dos canais oficiais do órgão – inclusive as redes sociais. Se você quiser fazer alguma denúncia, basta entrar em contato pelo Twitter (@proconspoficial) usando a hashtag #deolhonaBlackFriday e enviar o printscreen da página com o problema. O mesmo procedimento pode ser feito também pelo Facebook (www.facebook.com/proconsp).

Fonte: tecmundo
Compartilhe